Image hosted by Photobucket.com

Recomeçar


Recomeça...

Se puderes

Sem angústia

E sem pressa.

E os passos que deres,

Nesse caminho duro

Do futuro

Dá-os em liberdade.

Enquanto não alcances

Não descanses.

De nenhum fruto queiras só metade.

E, nunca saciado,

Vai colhendo ilusões sucessivas no pomar.

Sempre a sonhar e vendo

O logro da aventura

És homem, não te esqueças!

Só é tua a loucura

Onde, com lucidez, te reconheças...


Miguel Torga


Nome:
Local: Porto Alegre, RS, Brazil

Procurando respostas...

Zoundry Blog Writer

Tire todas as suas dúvidas sobre blogs.

Divulgue o seu blog!

All Images Hosting

Follow sansei10 on Twitter

16.2.06

Contando a Verdade

 
De saco cheio das teorias da conspiração em relação ao orkut, Google e a puta que os pariu, decidi contar a verdade pra vocês.

Sou um ET, fruto de uma projeto multi-milionário que realizou experiências científicas nos humanos, através das ondas eletromagnéticas dos radinhos de pilha (depois eles evoluíram e viraram Ipods) e televisores à valvula (hoje, têm tela de plasma).

Recentemente, após uma cirurgia, os alienígenas, junto com centenas de pesquisadores americanos, financiados pelo Bill Gates e o Sílvio Santos, implantaram um chip na minha panturrilha (pras pessoas pensarem que era uma modesta trombose). Este chip serve para coletar informações valiosíssimas para um outro projeto envolvendo outras galáxias, empresários americanos e astronautas russos. Vou gravar tudo o que converso com meus amigos no chip da panturrilha e depois, entregarei o 'mesmo' para os cientistas da NASA que estão curiosos para saber o que eu descobri.
Por exemplo: o Neuzo é descendente de japoneses, mija de pé e tem olhos puxados. A Tine tem outra identidade. Se faz passar por uma 'fornalista' chamada Cristiane Perez. A Dalva Maria não é uma pomba. A Sandrita mora na França e tem TPM. A Eva tem múltipla personalidade e diz que é atriz pra enganar os alienígenas. A Lari ri escandalosamente . A Dulce é um alienígena... enfim... coisas muito úteis que vão ser armazenadas no Gmail para que ele seja o maior banco de informações do mundo. Tudo vai ser usado pra convencer os incautos de que o homem não pisou na lua e os americanos patrocinaram a Segunda Guerra por pura auto-promoção.
Só peço, que, por favor, não revelem este precioso segredo para minha santa mãezinha. Ela não pode saber que eu não sou quem ela pensa que eu sou... ou não!

15.2.06

Fernando Sabino

De tudo ficam três coisas:
- a certeza de estar sempre começando,
- a certeza de que é preciso continuar, e
- a certeza de ser interrompido antes de terminar.

Fazer da interrupção um caminho novo.
Fazer da queda um passo de dança.
Do medo uma escada.
Do sonho uma ponte.
Da procura um encontro.

Dirceu e Jefferson Salvaram o Brasil

Arnaldo Jabor
Ontem falei com Nelson Rodrigues num velho telefone preto que ele atende
lá no céu, entre nuvens de algodão e estrelas de purpurina. Ele riu no telefone:

- Você só me liga quando está em crise? A crise é tua ou do país?

- Nelson, eu sou parte dos detritos da nação...

- Não faz frase, rapaz, olha a pose... Esta crise é maravilhosa, os brasileiros deviam se agachar no meio-fio e beber dessa sagrada lama. Ali está a salvação. O Brasil está assumindo a própria miséria, a própria lepra. Finalmente, os marxistas de galinheiro estão mostrando a cara, rapaz. Eles fazem parte da legião de cretinos fundamentais que infestam o país. Os cretinos fundamentais se escondem sob a capa da revolução, dos títulos acadêmicos, das togas de juízes, da faixa de presidente. Antigamente o cretino se escondia pelos cantos, envergonhado da própria sombra; hoje, se você subir num caixotinho de querosene Jacaré e falar "meu povo", os cretinos formam uma multidão de Fla x Flu.
Você pegue o Prestes, por exemplo; ele só fez errar na vida. Tudo que
ele quis deu zebra, de 35 até o fim... No entanto, quem falar mal do Prestes provoca arrancos de cachorro atropelado no ouvinte: "Não admito, ouviu?!" Esta crise é boa porque revela a burrice da velha esquerda. Durante 25 anos organizaram um partido operário e chamaram os intelectuais que fizeram um carnaval danado, transformando o Lula num
Padim Ciço. Mas, quando chegaram ao poder, debaixo de papel picado, resolveram se suicidar como as virgens do meu tempo: ateando fogo às vestes. Daí, a verdade inapelável e brutal: o comunista odeia o poder! Eles erram sempre, de propósito, para esconder a incompetência sob o pretexto do fracasso. Para eles, o fracasso enobrece e oculta a burrice.
E em seu martírio, eles berram, orgulhosos como cristãos comidos pelos leões em filme de Cecil B. de Mille: "Fracassei em nome do povo!"

- Mas... Nelson... o proletariado sob o capitalismo...

- Pára com isso, rapaz; o homem é capitalista... Existe mercado desde o tempo dos macacos disputando minhocas no buraco. Só os cegos acreditam na utopia e só os profetas enxergam o óbvio. O óbvio é um Pão de Açúcar que ninguém vê. E o óbvio é que os petistas queriam fazer a revolução debaixo das pernas do Lula. Mas foram mexer com a única coisa que não podiam: com o canalha brasileiro. O canalha é um patrimônio da
nacionalidade. Desde Tomé de Souza que roubam sem parar. Pois os canalhas estavam quietos, metendo as mãos nas cumbucas do Estado, quando de repente apareceu-lhes o Zé Dirceu, achando que ia passar-lhes o conto-do-vigário. Os canalhas olharam maravilhados a burrice lívida do
Dirceu e sacaram na hora: "É tudo mané!.." Dirceu lhes esfregava milhões
de reais na cara e eles piscavam cinicamente uns para os outros e diziam, contritos: "Perfeitamente, camarada Dirceu."

- Você acha o quê do Dirceu?

- Ele me fascina. Eu o conheci em 67, por aí... Ele vivia atracado em
postes, como vira-latas... Explico: o Dirceu não podia ver um poste que
ele trepava em cima e escrachava o capitalismo. Você sabe que os comunas tratam o capitalismo como uma pessoa: "Hoje o capitalismo acordou de mau humor, o capitalismo tem de morrer!!!" Bem, como eu ia dizendo, o Dirceu vivia trepado em postes, falando da utopia, que ninguém sabia quem era. Alguns sujeitos rosnavam: "Quem é essa tal de utopia? É mulher dele?" Pois um dia o nosso Dirceu encontrou o Lula. Foi uma festa. O Lula era o robô perfeito para o Dirceu: operário, foice e martelo, barba, ignorante e sem dedo - tinha tudo para se tornar um símbolo de santidade, um messias da USP, onde as professoras se estapearam para pegar um autógrafo do proletário. Dirceu doutrinou o Lula, criaram o PT, até que
Lula chegou ao poder. Aí apareceu o Dirceu "Ricardo III" o verdadeiro -
que esfregou as mãos: "Oba!! Deixa Comigo!!"E jogou o Lula para córner. O Lula achou ótimo porque estava em fremente lua-de-mel consigo
mesmo, segredando para D. Marisa: "Ei, mãezinha, quem diria, nós aqui, hein...?" E nem ligava: "Deixa que o Dirceu resolve!" E ia beijar rainhas e reis, lambido pelos grã-finos internacionais.Foi aí que surgiu o canalha, ou melhor, o ex-canalha, porque o Jefferson entrou em cena como um Falstaff ao contrário, denunciando o comandante da revolução corrupta. O Jefferson e o Dirceu são a essência do teatro: protagonista e antagonista. Jefferson saiu da mentira para a verdade e o Dirceu da verdade para a mentira. A maior peça do teatro brasileiro foi o duelo dos dois na Câmara. O país parou como no Brasil x Uruguai. Um é o espelho invertido do outro. Os dois juntos levantaram a cortina do erro brasileiro, um traçando o diagrama do sistema do atraso e o leninista fazendo a caricatura desse ridículo sonho revolucionário do qual o Brasil tem de acordar, para fazer a verdadeira revolução americana de que Sérgio Buarque falava. O Jefferson, que tinha passado a vida escondido na própria gordura, esgueirando-se por estatais e fundos de pensão, descobriu a deliciosa euforia da verdade. Ninguém é mais feliz que o Jefferson, tendo orgasmos de denúncias didáticas para o país, abrindo o alçapão de ratos. E ninguém é mais feliz também que Dirceu, finalmente livre de sua revolução fracassada, finalmente no ansiado martírio, o único sossego dos paranóicos.
O óbvio ululante é que eles não devem ser tratados como canalhas. Os brasileiros deviam ajoelhar-se e beijar suas mãos, pois Jefferson fez o maior tratado de sociologia da vida nacional e Dirceu fez uma revolução ao avesso - queria um socialismo stalinista e acabou fortalecendo a democracia. Um dia terão uma estátua em bronze - os dois sob os braços ternos de uma grande deusa nua: a República celebrando seus heróis. Rapaz, isso é o óbvio: Dirceu e Jefferson salvaram o Brasil!" E desligou.



Publicado no jornal O Globo, em 06 Setembro/2005



8.2.06

Blog? Pra quê?

Ouvi essa pergunta dias atrás.
"Tu não posta nada teu lá, isso é mais propaganda pros outros do que um BLOG!"
Pois é. Fazer o quê? As idéias não vêm.
Ou até vêm, mas minha auto-crítica, e muitas vezes a preguiça, são muito mais fortes.
E assim, lá está ele, ostentando galhardamente coisas que não são minhas.
Mas, sabe? Acabo achando que o que está lá só não foi escrito por mim por mero detalhe(para não admitir minha imperícia com as palavras).
Também percebo que o "Espírito de Porco" anda me rondando, e se eu deixar ele se encostar, vou começar a esculhambar.
Mas...peraí!
Eu posso! Essa porcaria é minha mesmo...

3.2.06

Tocando Em Frente

Almir Sater / Renato Teixeira


Ando devagar porque já tive pressa
Levo esse sorriso porque já chorei demais
Hoje me sinto mais forte, mais feliz quem sabe
Só levo a certeza de que muito pouco eu sei...
Eu nada sei...

Conhecer as manhas e as manhãs
O sabor das massas e das maçãs
É preciso o amor pra poder pulsar
É preciso paz pra poder sorrir
É preciso a chuva para florir

Penso que cumprir a vida seja simplesmente
Compreender a marcha e ir tocando em frente
Como um velho boiadeiro levando a boiada
Eu vou tocando os dias pela longa estrada, eu vou
De estrada eu sou...

Conhecer as manhas e as manhãs
O sabor das massas e das maçãs
É preciso o amor pra poder pulsar
É preciso paz pra poder sorrir
É preciso a chuva para florir

Todo mundo ama um dia, todo mundo chora
Um dia a gente chega, no outro vai embora
Cada um de nós compõe a sua história,
Cada ser em si, carrega o dom de ser capaz
E ser feliz...

Conhecer as manhas e as manhãs
O sabor das massas e das maçãs
É preciso o amor pra poder pulsar
É preciso paz pra poder sorrir
É preciso a chuva para florir

Ando devagar porque já tive pressa
Levo esse sorriso porque já chorei demais
Cada um de nós compõe a sua história
Cada ser em si, carrega o dom de ser capaz
E ser feliz...